quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Ela pintou o cabelo de azul e foi expulsa do colégio. Isso pode?


Bell em dois tempos, de cabelos castanhos e azuis. (Foto: Isabella Diamantino)
Isabella Diamantino, uma adolescente mineira de 17 anos, resolveu pintar o cabelo de azul. E esse foi o motivo de toda a confusão em sua escola, o Colégio Cenecista Dr. José Ferreira: o cabelo azul. Dá para acreditar? A adolescente é conhecida pelos parentes e amigos como Bell. Devido à cor inusitada do cabelo, sofreu bullying e foi expulsa da escola. Isso aconteceu em fevereiro. Que escolas conservadoras existem, todos sabemos. Principalmente as religiosas, cheias de regras de comportamento.
Agora, até que ponto a escola pode interferir na liberdade individual do aluno, se ele não violar nenhuma regra de convivência? Até que ponto normas escolares não cerceiam o pensamento e não se transformam em bullying? Bullying é um termo originado na língua inglesa (bully = “valentão”) e já corriqueiro no Brasil. Significa assédio – físico e/ou psicológico. Se nos ensinam na escola que não podemos ter preconceitos, muito menos ser “valentões”, por que então a própria escola se sente no direito de discriminar um aluno? Uma instituição dedicada a transmitir conhecimento não deveria confundir disciplina com intolerância. 
Conversei com Bell pelo telefone. Queria saber como ela se sentia, após todos esses meses, já em outra escola de Uberaba, Minas Gerais. Ela me contou como acabou sendo expulsa de seu colégio. Não foi assim da noite para o dia. Já frequentava as aulas havia um mês com a nova cor de cabelo. Foi advertida pela direção de que teria de se adaptar ao “normal” do colégio e que, caso não quisesse, seria “convidada a se retirar”. Ela precisou conviver com olhares críticos, fofocas e preconceito: “Não é o cabelo azul que diz se você é ‘vagabundo’ ou não. Queria pintar e pintei. É a mesma coisa que uma loira pintar o cabelo de preto. Não entendo por que não pode ser azul”.
Bell afirmou não ter sofrido bullying somente dos colegas, mas do coordenador, que também é professor de filosofia do colégio e era seu mestre favorito: “Eu pintei o cabelo e até então não tinha visto ele. Aí no dia em que ele chegou à escola e me viu, ficou me olhando com uma cara feia. Eu disse ‘oi’ e ele me ignorou. E eu sei que quando ele era adolescente ele tinha cabelo gigante. Quando ficou velho, decidiu usar cabelo ‘careta’” (referindo-se ao cabelo curto).
O diretor, Danival Roberto Alves, deu o prazo de uma semana para que ela trocasse a cor do cabelo, segundo Bell e seu pai. Mas, antes de esse prazo se esgotar, a aluna foi barrada, já dentro da escola, e depois expulsa do colégio. Guilherme Diamantino, o pai de Bell, disse que em nenhum momento foi informado pela instituição de qualquer advertência da escola. Soube pela filha o que houve e se apresentou voluntariamente para tentar resolver a situação.
“O argumento deles foi que os alunos reclamaram e estavam se sentindo incomodados com o cabelo dela. Mas na verdade o problema era o pensamento atrasado da direção. Se fossem espertos eles podiam até ter usado o cabelo da Bell para a publicidade do colégio - que também é azul (risos)!”
Bell diz que seus pais eram ‘punks’ quando eram jovens: “Minha mãe chegou até a ser careca!”. Guilherme afirma que quando estudava no mesmo colégio que expulsou Bell usava calça rasgada e ninguém falava nada. Detalhe: era o mesmo diretor.
Procurado pelo blog para dar sua versão sobre o episódio, o diretor Danival se recusou a falar, dizendo que isso aconteceu “no ano passado”, embora tenha ocorrido há alguns meses. “Acho que não seria bom nós fazermos comentários não”, disse o diretor. “Acho que não compensa. Não convém. A gente desde o começo tomou essa atitude e nós não vamos desdizer, mas tem inverdade. Até dizer que o contrário é o avesso...tá bom? Nós não queremos comentar”.
No site da escola, que é 90% azul, na parte de valores está escrito: “Sabemos que educação é mais do que instruir. A educação é tornar as pessoas livres para fazer suas escolhas com consciência e capacitá-las a participar ativamente da sociedade na qual estão inseridas.”
Será que eles sabem mesmo? Ou a teoria que está no site da escola é, na prática, o avesso do avesso do avesso?

10 comentários:

  1. Já fui obrigada a cortar o meu cabelo e pintar ele, ele estava rosa na época. Eu estudava em escola uma adventista por ser mais perto da minha casa. O diretor me chamou na sala dele e disse: Corta e pinta ou vou ser obrigado a te pedir que se retire da escola.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por que cortar, ele não curtia cabelo longo?

      Excluir
  2. As pessoas e instituições se preocupam mais com a aparência do que com o caráter. São um bando de demagogos hipócritas. Se for investigar a vida deles vai achar um monte de podres. Nojo!

    ResponderExcluir
  3. Ilegal.Ela deveria mete ium processo nesse diteror alias pelo ke entendi ja deveria ta aposentado

    ILEGAl. como diz a metaria a constituição e superior a quler regras de escola ,a eta tal biblia
    se ela pinto e os pais autorizaram ( unico que poode pela lei se ela menor) escola n pde fazer nada

    se fose os pais processava gostoso essas escolinah e OPBRIGAVAV tdos a ter aulas de cultura e cidadania ( sem preconceito)
    Vulgo niguêm pode te obriga ta na constituição
    vai se fu.. escola nazistas .. seu temp acabou

    ResponderExcluir
  4. Se a minha escola me expulsasse por pintar meu cabelo de cores inusitadas eu nunca concluiria meu ensino médio e nem taria fazendo faculdade.... Já pintei de vermelho azul, verde, laranja, roxo..... E hj tenho o cabelo natural e não me arrependo de ter pintado...me arrependeria se não tivesse feito...ficado na vontade por causa dos outros

    ResponderExcluir
  5. Estudei o fundamental todo num colégio militar, me fizeram tirar meus cadarços do all star falando que eu estava querendo bater de frente com as normas do colégio, pois eram verdes, também me fizeram pintar meu cabelo de preto quando pintei as pontas de roxo, tirar pulseiras, brincos e até maquiagem eles te obrigavam a tirar. Não sei o que algo do tipo vai mudar no meu ensino, se estou focada em aprender eu vou aprender com meu corpo modificado de qualquer forma.

    ResponderExcluir
  6. Lamentável!!! Em contrapartida, vagabundos, delinquentes e marginais que agridem e espancam professores saem ilesos e ainda são aplaudidos ! E ainda por cima o professor que é visto como o culpado! Isso é a merda do Brasil

    ResponderExcluir
  7. Eu tb so Punk, na minha escola sofria um grande preconceito com meu vestuário e cabelo, alegaram q era pq os alunos não gostavam de "rockero" e era pra não a ver briga com estilo...houve uma grande briga na escola entre alunos e a direção... decidi enfrentar e lutar pelos meus direitos ...no dia em q era pra ir padronizado eu fui no meu visual de sempre em forma de protesto contra essa atitulde.... coturno calça rasgada com meus Patches, minha camiseta do Dead Kennedys e Meu jaco sorrado...
    Essa Privatização não cabe a escola fazer.. se os pais não reclaman, então a escola não tem direito algum de se meter e prejudicar o ensino do aluno por motivo de vestuário ¬¬
    Temos todos q lutar contra esse preconceito medíocre entro da sociedade e principalmente dentro da educação!!!

    ResponderExcluir
  8. Tenho cabelo azul também ... E estudo num colégio franciscano quando todos me viram me olharam torto, e antes eu tinha cabelo vermelho e a diretora Virou e disse " Ah, mas cabelo vermelho é feio isso acaba com seu cabelo " Apesar de ela ter dado sua opinião de uma maneira que me magoou um pouco ela nunca reclamou! Acho que é porque sou boa aluna, mas uns meninos também " punks " são muito jugados pela diretoria por se vestirem de preto usarem pulseiras e correntes e até lápis de olho! Mas essa matéria realmente me chocou, ridícula a atitude do colégio que nem as regras e valores são aplicadas um cabelo não interfere na personalidade e no carácter de uma pessoa! Ótima matéria...

    ResponderExcluir